Um pouco sobre a importância das luvas

A palavra luva, deriva do francês lofa, que significa palma da mão. E sua invenção tem algo bem mais interessante do que apenas proteger as mãos. As luvas cirúrgicas por exemplo, que é considerada a mãe das luvas de EPI, foi criada devido a uma motivação supostamente sentimental, na preocupação e no cuidado com o bem estar do outro.
William Stewart Halsted, um respeitado cirurgião, foi referência no que se dizia assepsia. Antes de quaisquer procedimentos, seus auxiliadores precisavam passar por um longo processo de higienização, utilizando até mesmo, cloreto de mercúrio, afim de evitar infecções nos pacientes. Entretanto Caroline Hampton, uma das instrumentadoras do Dr. Halsted, desenvolveu uma grave dermatite de contato, por conta dos severos processos de higienização. 
Frente á isso, o Dr. Halsted, não queria perder uma profissional tão competente, por conta de um problema tão pequeno. Apaixonado por ela, e pelo que ela fazia, Halsted então, solicitou a empresa Goodyear Rubber Company, que criasse dois pares de luva, evitando assim que Caroline se afastasse do centro cirúrgico e poder ficar mais perto dela. Com isso, ela foi a primeira profissional de saúde a utilizar luvas de proteção dentro de um hospital. Outros médicos vendo o sucesso da utilização das luvas, popularizaram seu uso. Em 1893, Joseph Bloodgood, pupilo de Halsted reduziu a quase 0 o número de infecções em cirurgias de hérnia.
Após o sucesso da utilização, das luvas, seu uso foi totalmente popularizado, dando origem a outras utilizações como, na culinária, salões de cabeleireiros, consultórios odontológicos, fundições, construção civil, dentre outras inúmeras utilizações.
Atualmente é possível encontrar luvas dos mais diversificados materiais e para os mais distintos fins. Porém independente de suas características e ao que foi destinada, seu objetivo é único: A proteção individual.
O mercado atual, visou a necessidade de segmentar as luvas e suas matérias-primas, de acordo com sua utilização: Látex, PU, couro tratado, fibra aramida, malha de aço, existe uma infinidade de tipos, qualidades, materiais e nomenclaturas . Porém é necessário saber qual o material correto, para destiná-lo à utilização correta. Vamos começar falando sobre a mais famosa:
 
A luva de Látex:
Até três vezes mais resistente a perfurações do que a borracha, possui boa impermeabilidade principalmente á óleo. Resistem bem a materiais químicos, são duráveis e confortáveis, e possuem alto nível de sensibilidade. A única desvantagem é a alergia, que algumas pessoas tem ao látex. Para essas pessoas é aconselhável a utilização da luva nitrílica.
 
Luva  nitrílica ou PVC:  
Tem objetivo de proteger contra agentes biológicos. As luvas em PVC ou nitrílicas são utilizadas apenas para procedimentos não cirúrgicos.
Os profissionais que as utilizam são: médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem, profissionais que atuam em laboratórios. Sempre usadas em procedimentos da área médica, hospitalar e odontológica.
 
Luvas em couro tratado, fibras aramidas, tecidos mistos e cerâmicos:
Impedem a ocorrência de queimaduras em exposições de extremas temperaturas, como no caso em atividades de manuseio de peças aquecidas.
São utilizadas em fornos, injetoras de plástico, fundição, padarias, estufas, soldagens, e outros contatos com agentes térmicos, em exposições ao calor a partir dos 48C.
 
Luvas em malha de aço:
Possuem alta resistência mecânica, protegendo contra agentes cortantes. Estas luvas precisam ser inoxidáveis, sem que haja possibilidade de corrosão, devido a sua extensa utilização em ambientes úmidos. O aço deve ter boa qualidade, de modo que se obtenha maior resistência e menor peso, os elos devem ser trançados e soldados.
Estas luvas de proteção são usadas em abatedouros, açougues, peixarias, frigoríficos, e também quando há riscos de contato com objetos cortantes.
 
 
Luvas de Segurança em algodão ou nylon com tratamento químico:
Estas luvas são fabricadas de maneira um pouco diferente, pois recebem um tratamento químico na palma da mão com borracha vulcanizada, pó, nitrílico, látex e outros. São produzidas com malha de algodão ou nylon.
Resistentes à abrasão, perfurações e rasgos, as luvas de algodão com borracha vulcanizada são indicada para vários setores. No caso das luvas de proteção de nylon banhadas, tem a grande vantagem de permitir o manuseio de pequenas peças pois possuem alta flexibilidade mecânica.
 
Luvas de Segurança isolantes de borracha:
Protegem contra choques, pois oferecem alta poder de isolamento elétrico. Sua principal utilização, é feita em industrias, companhias de energia, usinas, e na construção civil.
 
Luvas de Segurança de borracha com chumbo:
São confeccionadas com uma pequena porcentagem de 0,50 mm PB. De modo que o usuário tenha conforto e total movimento. Sua principal utilização é feita na área da saúde, pois estas luvas, protegem as mãos de radiações ionizantes, principalmente em atividades com máquinas de raios-x.
 
 
Como podemos ver, todas essas luvas tem o principal intuito de proteção a quem usa. Porém é necessário tomar alguns cuidados para que se prolongue sua utilização:
 
-Verifique sempre as orientações do fabricante quando ao uso, conservação e higienização das luvas.
-A luva deve ser retirada pelo punho e virada ao avesso. De modo que a parte interna seja ventilada, permaneça seca e evitando também a proliferação das bactérias.
-Não é recomendado a lavagem industrial. Sendo que pode ser usado água corrente e sabão neutro. -A secagem deve ser feita na sombra.
-A durabilidade vai depender do risco em que a luva será exposta, das atividades executadas e a frequência, além da quantidade de produtos químicos que entra em contato com a luva.
 
Lembre-se sempre de avaliar as propriedades químicas de cada Luva de Segurança para escolher o EPI certo.